cartografia comunitária e mapeamento participativo

 

Para o geógrafo Milton Santos, é na base territorial onde tudo acontece, compreendê-la de maneira ampla e diversa, é fundamental. Segundo ele, os diferentes espaços e as espacialidades singulares são resultados das articulações entre a sociedade, o espaço e a natureza, ou seja, é no território que as nossas práticas se “materializam”, tornam-se “concreta” e configuram a territorialidade.

Através da oficina de mapeamento participativo, busca-se a construção coletiva de novos conhecimentos a partir dos diversos olhares das pessoas que compartilham desses territórios. Na promoção de encontros, rodas de diálogo, diagnósticos socioambientais participativos e oficina de cartografia promove-se bases fundamentais para o processo de construção de mapas temáticos e cartografias comunitárias.

Referência: A Natureza do Espaço, de Milton Santos.

diálogos colaborativos

 

Metodologias como World Café, Open Space, Oficina de Futuro e Desconferências, viabilizam troca de experiências rápidas e construções eficientes sobre o assunto-chave. Os processos de diálogo colaborativo são flexíveis, criativos e práticos, aumentando o engajamento, a troca de ideias entre os participantes e, principalmente, tornando coletivos os saberes, habilidades e competências individuais.

The World Café, criação de Juanita Brown e David Isaacs.
Open Space Technology, criação de Harrison Owen.
Oficina de Futuro, criação do Instituto Ecoar.

espaço e ressignificação

 

Vivência prático-metodológica em círculos de cultura, que possibilita uma releitura da realidade e a elaboração de estratégias de ação: a prática reflexiva. Através da ação participativa, identifica-se o interesse dos atores participantes e, com devida atenção aos aspectos que envolvam a dinâmica própria do espaço, concebe-se coletivamente o projeto de intervenção.

bacias hidrográficas - territórios de aprendizagem

 

Estimula o olhar sobre a gestão do território ao levantar questões sobre passado, presente e futuro e relaciona questões socioambientais, culturais e econômicas de uma determinada região.

Ao observar os padrões naturais de organização da vida, sob o conceito de Bacias Hidrográficas, de forma participativa e lúdica, exercita-se o olhar para a melhor compreensão da distribuição espacial e dos elementos das quais a compõem. Elementos físicos, padrões naturais, o elemento água, a inter-relações entre floresta e água, diversidade, identidade e pertencimento, relação com o rural e urbano, matas ciliares, malha hídrica e usos e ocupação do solo.

Referência: Aprendizagem Social - Diálogos e Ferramentas Participativas: Aprender Juntos para Cuidar da Água 

Av. Pompéia, 1777 - Vila Pompéia - São Paulo/SP
Telefone +55 011 2729-8093 | CNPJ 13.478.737/0001-66